Oscar 2016 – Melhor Atriz

Passo o ano inteiro (sem brincadeira!) dando uma espiada nas atrizes que devem aparecer entre as indicadas ao Oscar. Amo a categoria. E amo um sem-número de atrizes – o que me provoca certas reações de indignação quando a lista final é divulgada.

Em se tratando de interpretações femininas, o ano passado teve lá seu charme. Está longe, porém, de ser um ano arrebatador para a categoria. Mesmo assim, como o de costume, a Academia cometeu seus pecados. Nenhum deles repetiu a gravidade da edição anterior, quando Jennifer Aniston ficou de fora da premiação. Ainda assim, a Academia terá algumas contas para prestar no dia do juízo final. Três indicações, porém, salvaram a pátria. São elas:

lOX3rl_brooklyn_02_o2_8667103_1441138257.jpg

Saoirse Ronan, por Brooklyn – Elegância e minimalismo. Isso é que torna, para mim, a atuação de Saoirse a melhor do ano. No filme (também espetacular), a atriz interpreta uma imigrante irlandesa que precisa se adaptar à nova vida nos EUA, nos anos 50. E não há nem um momento sequer desperdiçado por essa atriz tão talentosa.

brie larson

Brie Larson, por O Quarto de Jack – Ela já ganhou, praticamente. E não há do que reclamar aqui. Brie é um exemplo de persistência e vontade. Com sua comovente interpretação, ela sustenta O Quarto de Jack e mostra o quão longe pode ir uma atuação desafetada.

charlotte

Charlotte Rampling, por 45 Anos – A veterana deste ano é mesmo formidável. E até então não havia sido indicada ao Oscar por uma simples razão: a Academia tem problemas para lá de sérios.

Do outro lado da corda:

jennifer

Jennifer Lawrence, por Joy – Ela é amada por dois terços do mundo: confere. Ela é dona de interpretações inspiradas: confere. Ela não se cansa de trabalhar com o diretor David O. Russell: confere. Ela está aqui graças a sua interpretação impecável em Joy: não confere.

cate blanchett

Cate Blanchett, por Carol – Ninguém ousa dizer uma palavra fora da curva quando o assunto é Cate Blanchett. Mas é só assistir a Carol para perceber que Cate está faminta por sua terceira estatueta. Tão faminta que se esqueceu do quão excelente ela mesma pode ser.

As esquecidas da vez:

Carey Mulligan

Carey Mulligan, por Longe Deste Insensato Mundo – Tão arrebatadora e tão ignorada: na pele de Bathsheba Everdene, Carey confere ainda mais fervor a esta adaptação tão deliciosa do clássico de Thomas Hardy.

charliza

Charlize Theron, por Mad Max: Estrada da Fúria – A ausência de uma interpretação tão devastadora quanto a de Charlize em Mad Max é uma daquelas coisas que só a Academia explica (ou não).

emily blunt

Emily Blunt, por Sicario – Todo mundo ama Emily. Menos a Academia.

Angelo Capontes Jr.

Anúncios